Todo o meu amor para a avó do Benjamin

Hoje é aniversário da pessoa mais importante na minha vida, que sem ela nada seria possível.

Ela é a mulher mais guerreira que conheci na vida. Mulher de fé, fibra. Forte.

Ela sempre aceitou, obediente, todas as mudanças em sua vida.

Criou duas filhas sozinhas.

Acumulou duas funções. A de mãe e a de pai.

Sempre teve dois empregos.

Mas nunca foi possível sentir sua ausência. Porque ela era SEMPRE presente.

Graças a ela eu cresci e me tornei a pessoa que sou hoje. Meu segundo nome poderia ser “Caráter”. Algo que ela nos transmitiu como ninguém.

E aí me tornei mãe. A melhor que meu filho poderia ter. E com certeza  sou a melhor porque aprendi com a melhor mãe que tive.

Também passei a admirá-la ainda mais. E compreender tudo o que ela fazia (e ainda faz) por nós.

Sei que ela já abdicou de muita coisa por nossa causa.

Ela sempre me contou a história de que antes de vir ao mundo nós escolhemos os pais que queremos.

Não tenho dúvida de que ela foi a melhor escolha que fiz.

Hoje ela é a melhor mãe e avó que poderíamos ter.

Ela é minha mãe. Avó do Benjamin. Um ser humano admirável.

É pra ela esse singelo post de hoje. É pra ela todo o meu amor. Toda minha gratidão.

Amo mais que o sol.

blog-fotos_4

Anúncios

Festa Infantil – Baby Guide

Fico impressionada quando alguém lembra detalhes da sua infância. Minha memória da infância não é lá tão cheia de arquivos, mas as lembranças que tenho são suficientes para saber que tive uma infância feliz. Tenho várias lembranças das festas de aniversários, por exemplo. Todas sempre preparadas pela minha mãe. Da bexiga ao docinho. Da decoração ao bolo. Sim, minha mãe era quem preparava o bolo. Todo ano era o mesmo sabor: floresta negra! Mas era delicioso!

Sinto que hoje em dia se perdeu um pouco aquele gostinho que se tinha antigamente as preparações das festas caseiras. Todo mundo compra tudo pronto. Talvez até pela praticidade. Muitas festas são realizadas em Buffet. Talvez também pela praticidade.

Acho que por ter visto minha mãe preparar a cada ano nossos aniversários, tenho tanto prazer em produzir a festa do meu Ben. Sem contar aquele clima que envolve todo mundo. Avós, tios, pais, todos mobilizados para organizar a festa do ano! É uma forma de viver a festa antes mesmo de ela acontecer. Os preparativos é tão gostoso quanto o dia D…

Mas não importa se é festa em buffet ou caseira. O importante mesmo, é comemorar, celebrar essa dádiva que é a vida!

Esse mês estou na revista Festa Infantil – Baby Guide contando o que é, pra mim, uma festa ideal. A revista além de linda, está bem legal, traz várias dicas para festas e  mais 9 blogueiras que eu adoro falando sobre sua festa ideal.

 

foto 3

 

foto 2

E sábado foi festa de lançamento, o espaço estava repleto de decorações lindas de morrer.

foto 1

Leia minha entrevista: Festa Infantil – Baby Guide .

A festa do Benjamin – 2 anos

Quer saber como foi a festa do Benjamin?

Foi linda!

Contei tudo no site da revista Pais & Filhos. Corre lá pra ver: AQUI!

festa

Minha amiga Bruna e também fotógrafa da festa me perguntou: qual a importância de fazer festa nessa idade do Ben?

Acho que o significado não está na festa em si, mas no fato de reunir a família e os amigos para comemorar à vida. Seja uma festa grande, pequena, apenas um almoço, uma reunião familiar, o que eu quero passar pra ele é a importância de comemorar, festejar, celebrar o que mais temos de precioso: a vida! e tudo o que ela nos proporciona: família, amigos, conquistas.

Eu gosto de festas, então produzir a festa do Ben é um prazer pra mim. Pode ser que nem sempre a gente comemore com uma festa, mas a comemoração de uma forma ou de outra sempre existirá.  Benjamin pode nem lembrar dessa festa daqui alguns anos, talvez hoje ele já nem se lembre mais. No entanto, o registro estará lá, no nosso álbum de família.

Ben - 2 anos - WEB 37

Ben - 2 anos - WEB 107

Ben - 2 anos - WEB 142

festaben16

festaben17

festaben18

Ben - 2 anos - WEB 195

festaben02

festaben05

A lembrancinha foi um vasinho com sementes e terras para as crianças plantarem e cultivarem, assim como o Pequeno Príncipe cultivava sua amiga rosa. Fiz questão do vasinho ser de barro, sei que exige mais cuidado para não quebrar, mas a ideia era as crianças também poderem pintar  personalizar seu próprio vasinho. Os filhos das amigas entenderam o espírito da coisa:

festaben01

foto (8)

Esses aqui são da Maria Eduarda e do Matheus

1013068_678609302164911_1313352728_n (1)

Esse aqui é da Bella

*

Fotos da festa por:

Bruna Queiroga

Alexandre Takashia

Chá de Bebê

Fizemos chá de bebê e foi tudo muito gostoso. Coloquei uma sugestão de lista nas lojas Alô Bebê, mas excluí vários itens da lista deles como, por exemplo, todos itens para a mãe (não achei cabimento pedir protetor para o seio!). Por que eu fiz a lista na loja: porque hoje em dia fica difícil encontrar todo mundo para entregar convites em mãos (acho muito mais legal o convite impresso com o papelzinho dobrado esperando para revelar o presente que o convidado deve levar).

Foi uma festa simples, onde reuni todos os familiares e os amigos íntimos. Realizamos a festa quando estava no 7º mês da gestação, teoricamente teria uma boa margem para organizar tudo até o parto. Deu tempo de sobra, já que Benjamin nasceu com 41 semanas.

blog-fotos3

A festa de chá de bebê não precisa ter muita coisa: uma mesa bonita e que pode ser decorada por você mesma se tiver paciência; docinhos, salgadinhos, bebida (refrigerante, suco, cerveja – se for o caso); lembrancinha – eu acho de bom tom entregar um mimo para os convidados. Eu mesma preparei a lembrancinha: comprei na 25 de março mini colheres e uns potinhos de vidro onde coloquei brigadeiro feito pela minha mãe e decorei com tecido patchwork. Ficou lindo, charmoso e gastei pouco. Servimos alguns salgadinhos e lanchinhos de carne louca.

blog-fotos4

Uma festa que vi outro dia no blog Bebê com Estilo e adorei, foi a Festa para revelar o sexo do bebê. Achei demais a ideia! Uma festa unissex, usando cores neutras ou as cores rosa e azul, onde é revelado, só na hora, o sexo do bebê. “Ah, mas eu não aguento esperar até lá para contar!” Ok, mas você pode organizar uma festinha simples só para familiares, na sua casa mesmo, para revelar o sexo do bebê. Se aguentar esperar, essa ideia pode ser usada no chá de bebê.

O importante não é fazer do chá de bebê um evento para ganhar presentes, isso é uma consequência. Se está pensando em realizar a festa só para ganhar os presentes, nem faça nada, o dinheiro que vai gastar na festa invista nos itens que pretenderia ganhar se fosse fazer o evento. Ou invista em fraldas!

O que eu penso dessa ocasião: é um momento para reunir as pessoas mais queridas, aquelas bem próximas e até aquelas super queridas mas que você não vê sempre, de compartilhar com elas esse momento tão especial que é a espera de um novo ser. É uma felicidade indescritível ver todos ali reunidos. Todos na expectativa de conhecer o novo bebê. E para a grávida pode ser um pouco cansativo, mas é ao mesmo tempo relaxante. Você sai daquele stress do dia a dia e sente por algumas horas aquela sensação boa de ser amada e de que seu bebê será super bem-vindo.

Chá de bebê é sinônimo de comemoração, de brindar à vida.

blog-fotos1

Porque segunda-feira pode começar com clima de festa de aniversário – tema Carros

Lembra do convite de aniversário do tema de Carros que fiz para os filhos da Dani, minha amiga-mãe-já-de-dois?! Sábado passado foi a festa. E que festa! Indiretamente estive envolvida com a organização desde o início. Primeiro a Dani estava com a ideia fixa de fazer em buffet, o que eu achava meio absurdo visto que ela mora numa casa de chácara com um espaçoso salão de festas. Timidamente fui tentando remover essa ideia da cabeça da Dani. Não sei se eu consegui esse feito ou se foram os orçamentos do buffet, o fato é que ela desistiu e eu achei o máximo.

Acho festas de buffet frias, barulhentas, aqueles brinquedos distanciam o relacionamento entre as crianças e inclusive dos pais (que tem que ficar o tempo todo de olho nas crias). Gosto muito mais das festas produzidas por nós mesmos, das festas caseiras, das madrugadas de produção (ah, isso lembra tanto a minha infância). São mais acolhedoras e tudo que tem nosso toque, nosso amor, fica mais bonito e encantador.  A festa dos meninos da Dani ficou linda demais, dá pra ver o toque dela em cada detalhe: da decoração das mesas de convidados às lembrancinhas.

Ok, dá mais trabalho sim! Mas nada impossível se puder contar com ajuda de amigos e familiares. Algumas idas à 25 de março se fazem necessário. Em algum momento você vai sentir que não vai dar conta, que não vai dar certo, que não vai ter tempo, mas….no final o resultado é gratificante. Vejam alguns registros que fiz da festa.

A foto abaixo mostra a mesa dos bolos. Tudo isso foi a Dani que fez, incluindo o bolo artificial.

É perceptível que cada detalhe foi arquitetado com carinho.

A Dani, como eu, gosta muito de fotos. Dias antes da festa, ela fez um ensaio fotográfico com os meninos. Amei o resultado.

Na mesa…

Na entrada do salão, de um lado o João, o filho mais velho….

Do outro lado o Marcos, o filho caçula (por enquanto, pois a Dani quer ter mais um filho, na verdade por ela teria mais dois)…

Quadro de assinaturas…

Faltam imagens (boas), mas a Dani produziu um espaço Baby – para os menores, onde ela colocou aqueles tapetes de EVA e os próprios brinquedos dos meninos. Benjamin não saiu de lá.

Foi contratado serviço de garçom e monitores. Na parte de fora tinha um espaço para as crianças maiores. Dani alugou um pula-pula e uma piscina de bolinhas, além de monitores que faziam pitura no rosto das crianças e organizavam atividades de pinturas no papel com elas. Os caras que levaram toda estrutura: as mesinhas e cadeiras onde as crianças sentavam-se para pintar e todo material artístico. Eles montaram o espaço entre as mesas dos convidados e os brinquedos (dá pra ver na foto?!).

Detalhe para a decoração das mesas, as bexigas com as cores de um farol de trânsito.

Teve mesa de docinhos…

E mesa das lembrancinhas…(ao lado a caixa de presentes)

Lembrancinha para os adultos…

E para as crianças…

Os aniversariantes estavam vestidos a caráter. Mas adivinhem….só tenho foto do caçula, que foi tirada bem no comecinho enquanto ele brincava com Benjamin.

Para a hora do parabéns os bolos foram postos à mesa e os aniversariantes trocaram de roupa…

Ok, não fiz o melhor registro de festas (deixei isso por conta do fotógrafo, nosso querido Diego), mas deu pra ter uma noção do resultado da festa, né não?! Minha opinião pessoal, e não é porque sou amiga da Dani e porque dei pitacos, mas se fosse em buffet seria tudo tão igual quanto, só que com preço exorbitante.

Parabéns aos aniversariantes, meus eternos queridos, que eu torço muito para serem amigos do meu filho tanto quanto sou da mãe deles. Parabéns à Dani, minha amigona-irmã do coração, pelos filhos maravilhosos e pela festa linda que organizou.

Dani, era nítido o seu amor em cada detalhe da festa. Estava tudo imensamente lindo!

O pai que ele é – Blogagem coletiva Mulher e Mãe

Quando a gente casa, se junta, se enrola, conhecemos aquela pessoa como amante, amigo, companheiro. Criamos a expectativa de que será um bom pai. Pelo menos acreditamos “é essa pessoa que quero para pai dos meus filhos”. Desconhecemos-nos completamente como mãe e pai.

Antes dos filhos ministramos diferenças básicas: preferência por tampa da privada fechada, tubo de pasta de dente apertada por baixo, nada de manteiga cheia de furos, final do campeonato brasileiro de futebol ou último capítulo da novela (?), pizza ou lanche (?), no cinema: Batman ou Homem Aranha e assim vai…

Chegam os filhos. A casa cheia de fraldas, lenços umedecidos, brinquedos espalhados pela sala, noites mal dormidas e surgem outras tantas diferenças entre o casal (mãe e pai). Os primeiros meses da chegada do bebê é uma fase complicada. A mãe se torna um ser neurótico, quase uma máquina de cobranças e ordens: “pega aquela fralda” e um segundo depois “não precisa mais já peguei”, “faz a mamadeira”, “prepara o banho”, “já fez isso..e aquilo?” A mãe quer ser a melhor do mundo. O pai corre na tentativa de se tornar o melhor pai do mundo.

Meu marido se revelou um grande pai. Desses com letra maiúscula. Além de ajudar com algumas tarefas domésticas do cotidiano, ele ajuda efetivamente com o Benjamin. Ele dividiu muitas madrugadas comigo ou simplesmente ficava acordado me esperando amamentar o nosso pequeno Ben. Troca fraldas (e arrisco dizer que sua quantidade de trocas, é bem maior que a minha), prepara mamadeira, acorda de madrugada quando necessário, alivia minhas angústias (ou tenta) de mãe, leva (sozinho – quando precisa ou acompanha – quando pode) o Ben à pediatra, dá almoço, janta, é o chef oficial de sucos, lava as roupinhas, conta estórias, conversa e brinca com Benzoca de modo encantador para qualquer expectador.


Filho é transformação. Ninguém se dá conta que os erros fazem parte desse processo. E calma e paciência são peças fundamentais dessa evolução do deixar de ser só casal para ser também pai e mãe. Filho muda mesmo a gente. Descobrimos um novo mundo – que é muito bom descobrir a dois, mesmo com tantas diferenças. É ótimo ter alguém para decidir junto a melhor maneira de resolver a equação: filhos. Vendo os dois homens da minha vida juntos, encontro também a beleza da vida. E a certeza de ter feito a escolha certa.

Marido, você é o melhor companheiro e melhor pai do mundo. Eu te amo imensamente.

******
Esse post faz parte da Blogagem coletiva, realizada pelo blog Mulher e Mãe, em homenagem ao dia dos pais.

O discurso

Sábado foi aniversário e festa de um ano do meu pequeno Ben! Eu muito envergonhada, fiz um discurso antes do parabéns e agora deixo registrado aqui.

“Eu tive muito medo durante a minha gravidez inteira. Fora meus medos de agulhas, hospital e afins, tive medo de colocar um filho no mundo, de deixar de ser filha para ser mãe, de deixar de ser uma pessoa individual pra me tornar o mundo de alguém, das responsabilidades e do turbilhão de emoções que acompanha a maternidade. Afinal, ser mãe é um percurso sem volta. E é natural sentirmos medo do desconhecido. Nesses últimos dias eu tenho revivido essa data de hoje e aí me dei conta de como foi gostoso sentir aquele medo que me abraçou no dia 16/06/11, por volta das 16:30. Era um medo com sabor de ansiedade – bem definido numa leitura que fiz dia desses – “aquela sensação de que se está prestes a pular no desconhecido, mas quando se sabe que o lugar do tombo vai ser fofinho e cheiroso. Como talco de bebê.” Ah, eu caí nessa como uma pluma. Acho que estou me saindo bem. A maternidade é uma experiência incrível, cheia de surpresas, alegrias incalculáveis, descobertas, pequenezas, algo sublime, mas também pavorosa, difícil, cheia de medos. Mas é além de tudo um aprendizado diário. Principalmente, no que se diz respeito ao amor e a doação. Ser mãe é doar-se integralmente e verdadeiramente para o outro. Então, eu quero agradecer a minha mãe por ter me colocado no mundo, por todo o amor que me dedicou, pela liberdade de escolha que sempre me foi dada, e agradecer também por todos os dias da minha licença maternidade que ela atravessou a cidade de metrô, pra cuidar de mim e do Benjamin.

E quero dizer ao Benjamin que eu não me esforço para ser uma mãe perfeita, mas me esforço para ser a melhor mãe que ele poderia ter. E que ele não vai se arrepender de ter me escolhido como mãe.”

É isso. A festa foi linda. Meu Ben curtiu muito e parecia entender que a festa era para ele e com certeza sentiu todo o amor que estava no ar. Depois vou postar mais detalhes. Por hora, deixo uma fotenha da mesa.

20120618-114107.jpg

Organização festa de aniversário – Parte 7 (com que roupa…)

Outro dia postaram no facebook “ter bom gosto custa muito caro”. E como custa! Sábado fomos comprar a roupa do aniversariante. Eu queria uma roupa confortável, porém estilosa. Fiquei impressionada como é cara a roupa de criança. Não que eu não soubesse. Mas como até agora Benjamin só ganhou roupas, eu não tinha comprado nada pra ele a não ser uma calça de malha aqui e outra ali.

Eu me considero uma pessoa de bom gosto, mas o meu bom gosto é muito caro. Eu devia ter nascido RICA! Ainda bem que nasci com o dom da negociação, com a paciência para pechinchar! Eu vasculho e acho coisas bacanérrimas e com preços mais bacanérrimos ainda. Depois de andar pra caramba o sábado inteiro, acabei comprando o modelito do meu Ben na Zara. “O quê, na Zara tem roupa para criança???” Siiiiiim! Algumas lojas da Zara têm uma parte destinada aos pequenos, a Zara Kids! O preço nem é tão absurdo assim e as roupinhas são coisas de Deus. Uma graça só! Mas pra achar roupas com bons preços, tem que garimpar os cabides da loja.

Eu queria muito ter comprado a roupa dele na Green (Amoooo!). Mas lá, além de ser muuuuito caro, só encontrei conjuntos e eu acabava achando só a calça bonita. Mas da marca ele vai usar um tênis lindo (e macio) demais que ganhou da vovó coruja Salete.

(Bom, sobre a Zara tem ainda aquele lance dos bolivianos, lembra(?), produzindo calças e blusas por miséria, quase que semi-escravizados. É, de fato não concordo com essa prática, mas também entendo que deve ter sido um caso isolado, pois senão a loja já deveria ter sido fechada, não é mesmo? E não acho que isso seja exclusivo da Zara, devem ter diversas marcas com essa particularidade também… basta investigar.)

Todo mundo diz que aniversariante tem que ter duas roupas, optei só por mudar a parte de cima. Vamos ter outra opção de calça, caso aconteça um acidente (com criança pequena não dá pra bobear). E uma das partes de cima, a que será usada para os parabéns será personalizada……. Mas o importante mesmo é ser confortável! Vamos combinar que é muito difícil encontrar roupa de menino bonita e estilosa. E estilo é o mínimo que tem que ter. Estou confiante que meu Ben vai estar confortável e lindo (como sempre)! Rs

Está chegando, é na próxima semana. O dia da festa do meu Ben, caíra no dia de seu nascimento. Parece bobo, mas achei incrível isso. Sei lá, vamos reviver um momento na data exata, estar com amigos e parentes muito queridos, é muita energia positiva… Meu coração está cada vez mais pequenininho de tanta emoção.

Feliz ano novo (pessoal)

Então começou meu ano novo pessoal. Adoro isso! Perguntaram-me essa semana “por que você gosta tanto de fazer aniversário? Não quero ser pessimista, mas você nunca parou pra pensar que você está mais perto da morte?”

Perto da morte estamos todos os dias. Ela pode chegar a qualquer hora, em qualquer esquina, em uma mesa de boteco, na poltrona de casa, na mesa do trabalho, no asfalto, etc. Não vivo pensando na morte. Quer dizer, não pensava nisso até a chegada do meu Ben. Após o nascimento dele comecei a ter um medo imensurável de morrer, algo que me incomodou bastante por um período e agora procuro não pensar nisso. É tão assustador que se você pensa muito parece que vai enlouquecer, sabe?!

E não considero um medo bobo. Também não é egoísta. O medo de morrer vem do medo de: quem cuidará do seu filho, dos valores que serão passados pra ele, e sim, tem um tiquinho de egoísmo, porque você pensa que morrendo não acompanhará o desenvolvimento dele, não estará ao lado dele comemorando as conquistas, não dará colo nos momentos de angústia… Mas a maior preocupação é do cuidado e educação. Ninguém no mundo cuida do filho como cuida a mãe. Ninguém no mundo ama um filho como a mãe ama. Só a mãe é capaz de TUDO por um filho.

Mas eu prefiro não pensar em morte. Gosto mais de pensar na vida, nos projetos que tenho ainda para realizar, nos momentos que ainda vou passar com o meu Ben. Gosto de fazer planos (e realizá-los). E agora (com o Benjamin) a vida tem um novo sabor. Parece exagero ou pode até soar falso, tipo aquelas pessoas que gostam de ficar “afirmando” a todo instante que está feliz (quando nem está). Mas o fato é que sim, eu sou escandalosamente feliz e o nome de tanta felicidade é Benjamin. Parafraseando uma música do novo álbum de Chico Buarque, Benjamin “veio para enfeitar a minha vida, diz que será tipo festa sem fim…” É assim que sinto a minha vida agora.

Eu sempre amei qualquer tipo de celebração, comemorar aniversários e amo ainda mais agora. Estou pronta para mais um ano pessoal. Um brinde à vida (que é muuuuuito bonita)!

Organização Festa de Aniversário – Parte 2 (lembrancinhas)

Já tenho ideia do que vou fazer de lembrancinha para o niver do meu Ben. Foi algo que surgiu faz tempo, mas sabe quando vence o prazo de validade da ideia?! É quando faz tanto tempo que você pensou que você começa achar sem graça.

Então fui pesquisar na internet algumas opções. Incrível como os tipos de lembracinhas se repetem: latinha/garrafinhas com balinha (que agora qualquer site de compras coletivas você encontra mega barato), sachês perfumados, fotos, gira cubo (aquele com fotos, já estou começando achar isso brega pra caramba), caixinha em mdf, etc…

Estava quase desistindo quando encontrei a Maria…. Maria Lembrancinha! É um ateliê onde é produzido mimos charmosos, modernosos, cheio de estilo e pompa. Eu fiquei tão encantada, mas tão encantada…!!! Tem mimos para todo tipo de ocasião: aniversário, batizado, nascimento, agradecimento, para receber bem em casa, tem uns convites pra lá de bossa…

Lá eu encontrei a ideia que eu tinha tido para lembrancinha do niver do meu Ben. De repente a ideia voltou a ser uma coisa original e bacana. E eu mesma vou fazer! Não vou revelar ainda o que é, senão perde toda graça, né?! Até porque eu posso mudar de ideia, pois encontrei lá na Maria Lembrancinha outro mimo que eu achei muuuuuuuito bossa. Mas se eu optar por essa segunda opção, vou comprar lá na Maria porque meus dotes de designer e artes manuais não são lá essas coisas.

Clique aqui para conhecer a Maria Lembrancinha.

marialembrancinha.blogspot.com.br