Livro: Travessuras de mãe

Pensei que eu tinha prazer extremo em ser mãe, mas descobri alguém com o mesmo (ou até mais) prazer do que eu. Seu nome? Denise Fraga. Eu sempre gostei de suas colunas na Revista Crescer, lia antes mesmo de me tornar mãe. Até que outro dia uma amiga indicou o Travessuras de Mãe.

Quando via a capa lembrei que tinha dado de presente para a Dani quando ela teve seu segundo filho. E na época eu até li duas ou três crônicas do livro, mas não dei muita importância, não fez o mesmo sentido que tinha quando lia na revista, não entendia exatamente o que ela falava, não sentia os mesmos sentimentos, não era mãe.

A gente entende a partir do momento que vive isso na prática. Em seu livro, Denise Fraga, mãe de dois, não só demonstra que vive, como transpira maternidade. Antes eu achava difícil ser mãe e aí vem a Denise e me mostra que ser mãe é uma aventura. E das mais prazerosas, carregada de dúvidas e receios, mas também de alegrias imensuráveis. É bem como ela cita em uma das crônicas, “ser mãe compreende mesmo muitas dualidades. É uma grande mistura de alegria e dor”.

Em Travessuras de Mãe ela define muito bem todos esses sentimentos que nos permeiam. Eu me identifiquei em várias partes do livro. Sem ser exagerada, me identifiquei do começo ao fim. O livro é lindo, cheio de ternura e delicadeza. Vale muito a pena ter na cabeceira da cama.

Alguns trechos do livro:

“Porque ter filhos aguça intensamente a nossa tentativa de compreender o mundo, os seres e as suas diferenças.”

“(…) da descoberta de que ser mãe não era só pintar e fazer argila com eles na varanda que cheguei a tal conclusão. Tinha uma árdua tarefa: dar os tais limites.”

“Tenho vontade de partir pra cima de quem bate no meu filho. O dilema é quando o agressor é meu outro filho.”

“E só me fortaleci mesmo como mãe depois de muitos machucados.”

“(…) Penso, assim, criar pequenos aconchegos na memória deles. (…) Se não formos nós, quem passará pros nossos filhos o prazer das pequenas coisas?”

“Talvez ser irmão seja mesmo a relação mais delicada. Dois seres diferentes escolhidos pra viver juntos e ser tratados como iguais. Dois seres que clamam pela igualdade no gole de guaraná, mas adoram competir suas diferenças.”

“Todo dia, antes de deitar, vou ao quarto deles para o último beijo de boa noite. Beijo, não. Chego bem pertinho e, em vez de beijá-los, fico ali sentindo aquele cheiro tão reconhecível, aquela boquinha aberta, só pra mim perfumada, o delicioso hálito dos meus filhos.” (eu faço muuuuuito com o meu Ben)

Título: Travessuras de Mãe
ISBN: 978-85-250-4896-7
Autora: Denise Fraga
Ilustrações: Mariana Mayumi Watanabe
Editora: Editora Globo
Tamanho: 237 páginas

20120727-111051.jpg

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

3 Comentários

  1. Tia Ana

     /  27 de julho de 2012

    Você está me saindo a terceira melhor mãe que já conheci. A primeira é a minha , a segunda sou eu mesma e quem me falou isto foi Thiagão, portanto ,não vale contradizer. Beijo minha querida.

    Responder
  1. Retrospectiva 2012 Bossa Mãe « bossamae
  2. Respeito também tem sabor « bossamae

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: